USO DE MEDICAMENTOS EM CRIANÇAS DE CRECHE NA CIDADE DE SANTOS

Gregory de Oliveira Perdizes, Rhaisa Darossi, Júlio Cesar Moreira, Gustavo Mercuri, Maria Célia Cunha Ciaccia, Vera Esteves Vagnozzi Rullo

Resumo


Objetivos: Analisar o uso de medicamentos por crianças de creche. Métodos: Um levantamento transversal de dados obtidos por 701 questionários aplicados aos responsáveis de crianças de creche matriculadas na rede municipal de Santos, realizado no período de Dezembro de 2012 a Outubro de 2013. Resultados:Não houve associação do uso de medicamentos entre os sexos. Os fármacos mais utilizados foram os antimicrobianos, seguidos dos antitérmicos/analgésicos, sendo a maioria prescrita pelo médico do posto ou do pronto socorro e a automedicação realizada pela minoria. A maioria obtida por recursos próprios e os motivos para o uso foram febre, chiado, alergia, rinite, resfriado/gripe. Foi mais prevalente nas crianças com acompanhamento médico particular e de convênio. Conclusão:O consumo de medicamentos em creches de Santos é alto com dados semelhantes da literatura brasileira. 


Texto completo:

PDF

Referências


Laporte JR, Porta M, Capellà D. Drug utilization studies: a tool for determining the effectiveness of drug use. Br J Clin Pharmacol 1983;16:301-4.

Avorn JL, Chen M, Hartley R. Scientific versus commercial sources of influence on the prescribing behavior of physicians. Am J Med 1982;73:4-8

Coperman EM. Antibiotics: no panacea. Can Med Assoc J. 1977;116:229-30.

Higginbotham N, Streiner DL. The social science contribution to pharmacoepidemiology. J Clin Epidemiol 1991;44(S2):73S-82S.

Mazzulo J. The nonpharmacologic basis of therapeutics. Clin Pharmacol Ther. 1972;13:157-8.

Soumerai SB, Ross-Degnan D. Drug prescribing in pediatrics: challenges for quality improvement. Pediatrics 1990;86:782-84

Sterky G, Tomson G, Diwan VK, Sachs L. Drug use and the role of patients and prescribers. J Clin Epidemiol 1991;44(S2):67S-72S.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciências Tecnológicas e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos.Prêmio Nacional de Incentivo à Promoção do Uso Racional de Medicamentos-2009. Brasília-DF 2011.

Santos DB, Coelho HLL. Reações adversas a medicamentos em Pediatria: uma revisão sistemática de estudos prospectivos.Rev Bras Saúde Matern Infant.2004;4:341-9.

Brasil- Ministério da Saúde. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamento. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas-Sinitox (cited 2007). Available from: http://www.fiocruz.br/sinitox/.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Formulação de Políticas de Saúde. Política Nacional de Medicamentos. Série C. Projetos, Programas e Relatórios n 25. Brasília-2001.

Bricks LF, Leone C. Utilização de medicamentos por crianças atendidas em creches. Rev Saúde publica 1996;30(60):527-35.

Ciaccia MCC, Baldacci ER. Uso de Medicamentos por alunos do ensino fundamental no município de Santos. Rev Paul Ped 2005;23(4):170-6

Béria JU, Victora CG, Barros FC, Teixeira AB, Lombardi C. Epidemiologia do consumo de medicamentos em crianças de centro urbano da região sul do Brasil. Rev Saúde Publica 1993;27(2):95-104.

Santos DB, Barreto ML, Coelho HLL. Utilização de medicamentos e fatores associados entre crianças residentes em áreas pobres. Rev Saúde Publica 2009;43(5):768-78.

Berquó LS, Barros AJD, Lima RC, Bertoldi AD. Utilização de medicamentos para tratamento de infecções respiratórias na comunidade. Rev Saúde Pública 2004;38(3):358-64.

Murahovschi J. A criança com febre no consultório. J. Pediatr 2003;79(1):55-64

Feldhaus T, Cancelier ACL, Conhecimentos dos pais sobre febre em crianças Arq. Catarin. Med 2012;41(1):16-21.

Carvalho DC, Trevisol FS, Menegali BT, Trevisol DJ. Uso de medicamentos em crianças de zero a 6 anos matriculadas em creches de Tubarão, Santa Catarina. Rev Paul Pediatr 2008;26(3):238-44.

Beckhauser GC, Souza JM, Valgas C, Piovezan AP, Galato D. Utilização de medicamentos na Pediatria: a prática de automedicação em crianças por seus responsáveis. Rev Paul Pediatr 2010;28(3):262-8.

Vilarino JF, Soares IC, Silveira CM, Rödel AP, Bortoli R, Lemos RR. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Rev. Saúde Pública 1998;32(1): 43-9.

Arrais PD, Coelho HLL, Batista C D. S., Carvalho ML, Righi RE., Arnau JM. Perfil da automedicação no Brasil. Rev. Saúde Pública 1997; 31(1): 71-77.

Bricks LF. Tratamento da criança com febre. Pediatria(São Paulo) 2006;28:155-8.

Beckhauser GC, Valgas C, Galato D. Perfil do estoque familiar de medicamentos em residências com crianças. Rev Ciênc Farm Básica Apl 2012;33(4):583-9.

Roujeau, F.C, Stern, R.S. Severe adverse cutaneous reactions to drugs. N. Engl. J. Med 1994;331(19):1272-85.

Lieber NSR, Ribeiro E. Reações adversas a medicamentos levando crianças a atendimento na emergência hospitalar. Rev Bras Epidemiol 2012;15(2):265-74.

Oliveira EA, Bertoldi AD, Domingues MR, Santos IS, Barros AJD. Uso de medicamentos do nascimento aos dois anos: Coorte de Nascimento de Pelotas, RS. Rev Saúde Pública 2004;44(4):591-600.

Sanz EJ. Drug prescribing for children in general practice. Acta Paediatr 1998;87(5):489-90.

Bricks LF. Uso judicioso de medicamentos em crianças. J Pediatr 2003;79(1):101-14.

Arrais PS, Brito LL, Barreto ML, Coelho HL.Prevalência e fatores determinantes do consumo de medicamentos no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Púlica 2005;21(6):1737-46.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 15 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.