Toxicologia Clínica - Usuários de drogas de abuso

Carolina Fernandes Marme Pais, Maria Isabel Ferreira da Silva, Roberto Lucas dos Santos Filho, Sofia Oliveira de Alcântara, Stefani de Menezes Araujo Lima, Frederico Kauffmann Barbosa

Resumo


Toxicologia é a área do conhecimento devotada a compreender os tóxicos, sua existência, ocorrência, comportamentos, movimentos, mecanismos de ação, etc. Os propósitos para esse esforço humano são muitos, e têm se diversificado com o passar do tempo: desde reconhecer o alimento seguro, até praticar a ‘arte’ do envenenamento; desde caracterizar o tóxico de um envenenamento até predizer o grau possível de uma exposição (contato) sem superveniência de risco explícito e efeitos. A toxicologia atual, entendida então como a ciência que estuda os efeitos adversos das substâncias químicas sobre os organismos vivos e avalia a probabilidade da sua ocorrência, claramente estabelece a análise e a predição de risco como seus componentes integrantes.
A Toxicologia Clínico-Laboratorial pode ser entendida como uma estreita interface entre os métodos diagnósticos e prognósticos para intoxicações e/ou exposições e o aparecimento de alterações funcionais, bem como, todos os potenciais processos toxicológicos nas diferentes subáreas da toxicologia. Nesta linha, a aproximação de subáreas do conhecimento em Toxicologia permite o avanço desta ciência permeando avaliações de segurança dos sistemas biológicos. É reconhecido que o avanço tecnológico por um lado aumentou o risco a exposições e efeitos toxicológicos, por outro, criou ferramentas para avaliar danos precoces e estabelecer novos paradigmas de avaliação toxicológica e de risco.
Qualquer substância pode atuar como toxicante. Tanto os produtos exógenos como os próprios constituintes do organismo, quando se encontram em proporções excessivas, podem produzir efeitos nocivos. Os agentes tóxicos apresentam estruturas químicas variadas e podem ser classificados utilizando-se diferentes critérios, conforme a finalidade de seu estudo.
A toxidade de alguma substância ingerida pode ser avaliada através da capacidade inerente a uma substância de produzir danos aos organismos vivos, ou seja, é a medida relativa do potencial tóxico da substância sob certas condições controladas de exposição. Uma substância muito tóxica causará dano a um organismo se for administrada em quantidades muito pequenas, enquanto uma substância de baixa toxicidade somente produzirá efeito quando a quantidade administrada for muito grande. O conhecimento da toxicidade das substâncias químicas se obtém através de experimentos em laboratório utilizando animais. Os métodos são empregados com todo rigor científico com a finalidade de fornecer informações relativas aos efeitos tóxicos e, principalmente, para avaliar riscos que possam ser extrapolados para o homem.
A intoxicação poderá ser diagnosticada a partir do conjunto de efeitos nocivos representados por manifestações clínicas (sinais e sintomas) ou laboratoriais que revelam o desequilíbrio orgânico produzido pela interação entre o agente tóxico com o sistema biológico.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 15 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.