A influência da fisioterapia na cognição de idosos com doença de Alzheimer

Ingrid Maria Paes Jorge Medeiros, Fabiana Franco Securella, Rita de Cássia Caramêz Saraiva Santos, Karina Martin Rodrigues Silva

Resumo


Uma das consequências do aumento da população idosa é a alta prevalência de demências, principalmente a Doença de Alzheimer (DA). O exercício físico é um importante fator para o envelhecimento saudável, prevenindo e minimizando problemas, sendo assim, a fisioterapia é de grande importância para retardar a progressão da doença. O objetivo deste artigo foi descrever os efeitos da Fisioterapia como um tratamento paliativo na cognição dos idosos com DA. Trata-se de uma revisão bibliográfica sobre a influência da fisioterapia na DA com uma busca através do Lilacs, Scielo, Medline e Bireme com 9 artigos incluídos. Conclui-se que as dificuldades motoras dos pacientes decorrem de alterações na função cognitiva, sendo assim, uma intervenção terapêutica que envolva estes dois contextos se faz necessária na prevenção e tratamento. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Izabella Dutra de. Demência de Alzheimer: correlação entre memória e autonomia. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 32, n. 3, p.131-136, mar. 2005.

ADAMI, Anna. Sistemas Cognitivos. 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2015.

APRAHAMIAN, Ivan. Doença de Alzheimer: revisão da epidemiologia e diagnóstico. Revista Brasileira de Clinica Médica, Campinas, v. 7, n. 0, p.27-35, set. 2009.

AVERSI-FERREIRA, Tales Alexandre. Efeitos do envelhecimento sobre o encéfalo. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 5, n. 2, p.46-64, jul. 2008.

BANHATO, Eliane F. C.. Atividade física, cognição e envelhecimento: estudo de uma comunidade urbana. Psicologia: Teoria e Pratica, São Paulo, v. 11, n. 1, p.76-84, jun. 2009.

BOFF, Luiz Henrique. Processos Cognitivo de Trabalho de Conhecimento. 2000. 218 f. Tese (Doutorado) - Curso de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

CHARCHAT-FICHMAN, Helenice et al. Declínio da capacidade cognitiva durante o envelhecimento. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, n. 1, p.79-82, jan. 2005.

CANCELA, Diana Manuela Gomes. O Processo de Envelhecimento. 2008. 15 f. Monografia (Especialização) - Curso de Psicologia, Universidade Lusíada do Porto, Porto, 2007.

CARRETTA, Marisa Basegio. PERSPECTIVAS ATUAIS NA PREVENÇÃO DA DOENÇA DE ALZHEIMER. Estudo Interdiciplinar do Envelhecimento, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p.37-57, ago. 2012.

CARVALHO, Kallynne Rodrigues de et al. O método Kabat no tratamento fisioterapêutico da doença de Alzheimer. Kairós,São Paulo, v. 11, n. 2, p.181-195, dez. 2008.

CAYTON, Harry. Tudo sobre Doença de Alzheimer: Respostas às suas dúvidas. São Paulo: Editora Andrei, 2000. 161 p.

COELHO, Flávia Gomes de Melo et al. Atividade física sistematizada e desempenho cognitivo em idosos com demência de Alzheimer: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 31, n. 2, p.163-170, jun. 2009.

ELY, Jaqueline Colombo. Estratégias de intervenção fisioterapêutica em indivíduo portador de doença de Alzheimer. Rbceh,Passo Fundo, v. 5, n. 2, p.124-131, jul. 2008.

FECHINE, Basílio Rommel Almeida. O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO: AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE ACONTECEM COM O IDOSO COM O PASSAR DOS ANOS. Isp, Fortaleza, v. 1, n. 20, p.106-132, 13 fev. 2012.

FEITEIRA, Laísa Horta. ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA DOENÇA DE ALZHEIMER. 2007. 6 f. TCC (Graduação) - Curso de Fisioterapia, Centro Universitário Católicos Salesiano Auxilium, Araçatuba, 2007. Cap. 23.

GIORDANO, Mario Gáspare. Cognição, demência e hormônios – fisiopatologia e diagnóstico. Femina, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p.7-10, jan. 2007.

LIMA, Juliane Silveira. Envelhecimento, demência e doença de Alzheimer: o que a psicologia tem a ver com isso?. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 1, n. 40, p.469-489, out. 2006.

MARTELI, Anderson. Alterações Cerebrais e os Efeitos do Exercício Físico no Melhoramento Cognitivo dos Portadores da Doença de Alzheimer. Revista Sáude e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 1, n. 1, p.49-60, maio 2013.

MELO, Marília Agua de. Proposta Fisioterapêutica para os cuidados de Portadores da Doença de Alzheimer. Envelhecimento e Saúde, São Paulo, v. 12, n. 4, p.11-18, ago. 2006.

MENDONÇA, Gerlania Mª Silva de. MAL DE ALZHEIMER E A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA. 2011. 11 f. Monografia (Especialização) - Curso de Fisioterapia, Universidade Tiradentes, Tiradentes, 2011.

MOLARI, Francielle. ALZHEIMER: EVIDÊNCIAS FISIOPATOLÓGICAS, DIAGNÓSTICO E TERAPIA. 2011. 31 f. Monografia (Especialização) - Curso de Farmácia, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2011.

MONTAÑO, Maria Beatriz M. Macedo. Como Diagnosticar e Tratar Doença de Alzheimer. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 70, n. 12, p.111-117, dez. 2013.

MORAES, Edgar Nunes de. Características biológicas e psicológicas do envelhecimento. Revista de Medicina de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p.67-73, jan. 2010.

SATO, Andrea Toshye et al. Programas de estimulação da memória e funções cognitivas relacionadas: opiniões e comportamentos dos idosos participantes. Revista de Ter. Ocup. Univ. São Paulo, São Paulo, v. 1, n. 25, p.51-59, jan. 2014.

SCALISE-SMITH, Dale L.. Desensolvimento Motor durante Toda a Vida. In: UMPHRED, Darcy A.. Reabilitação Neurologica. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. Cap. 2. p. 23-50.

SMITH, Marília de Arruda Cardoso. Doença de Alzheimer. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, n. 2, p.03-07, out. 1999.

SHULTE, Osa Jackson. Função Cerebral, Envelhecimento e Demência. In: UMPHRED, Darcy A.. Reabilitação Neurologica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. p. 812-838.

TEIXEIRA, Luzimar. Doença de Alzheimer - 1a Parte. 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2015.

TEIXEIRA, Luzimar. Doença de Alzheimer - 2a Parte. 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2015.

ZAIONS, Janaína Dalla Costa. A INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSO PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER: RELATO DE CASO. Perspectiva, Minas Gerais, v. 36, n. 133, p.151-162, mar. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.