EFICÁCIA DIAGNÓSTICA DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA COLELITÍASE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA DA BAIXADA SANTISTA

Danielle Moreira Borguez, Flavia Carolina Domingues, Hellora Grillo Junqueira, Mayara Galli Silva Dos Reis, Renata Ritchmann de Fiore de Castro Oliveira, Mariano José Lucero

Resumo


RESUMO

 

Estudaram-se retrospectivamente casos de colelitíase que ocorreram no serviço de Cirurgia Geral do Hospital Guilherme Álvaro (HGA) localizado em Santos/SP no período de Maio/2014 até Novembro/2014 na qual se avaliou 66 pacientes através de questionários e prontuários médicos, destacando-se como variáveis escolhidas para avaliação dos dados obtidos: sexo, faixa etária, sintomatologia clínica e o diagnóstico por achado apenas radiológico ou imagenológico através da ultrassonografia ou tomografia computadorizada de abdome. Os resultados demonstraram que á prevalência da colelitiase no gênero feminino (78,7 %) afetando 52 do numero total de pacientes, e que a faixa etária mais acometida é a dos maiores de 50 anos (47%). Alem de isso podemos mencionar que a sintomatologia estava presente em 51 dos pacientes (77,27%) no momento do diagnóstico; e a ultrassonografia foi o método gráfico que fez o diagnóstico em 100 % dos casos. Finalmente podemos concluir que a ultrassonografia se mostrou eficaz no diagnóstico de colelitíase e a sintomatologia está presente na maioria dos casos quando é feito o diagnóstico, sendo poucos os achados radiológicos ou imagenologicos ocasionais.

 

 

Palavra-chave: Ultrassom, Diagnóstico e colelitíase.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Araújo N; Gonçalves J; Bromberg S; Guz B; Zanoto A, Predição da coledocolitíase pela associação de indicadores clínicos e laboratoriais em dois momentos do pré-operatório da colecistectomia ,Rev. Col. Bras. Cir. vol.32 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2005

Attili AF, Pazzi P, Galeazzi R – Prevalence of previously undiagnosed gallstones in a population with multiple risk factors. Dig Dis Sci, 1995, 40(8):1770-1774

Barker DJ, Gardner Mj, Power C, et al. – Prevalence of gallstones at necropsy in nine British towns: a collaborative study. Br Med J, 1979, 2(6202):1389-1392.

Crema E; Camara C; Pastore R; Teles C; Terra J; Silva A, Avaliação da positividade da colangiografia peroperatória em pacientes submetidos à colecistectomia laparoscópica eletiva ,Rev. Col. Bras. Cir. vol.37 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2010.

Fontes P; Nectoux M; Eilers R; Chem E; Reidner C, Colangiografia transoperatória em colecistectomia laparoscópica ,Rev. Col. Bras. Cir. vol.25 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 1998.

Harrison P, Cholecystitis on CT, Check Ultrasound Before Treating, American Roentgen Ray Society (ARRS) 2015 Annual Meeting: Abstract 5470. Presented April 21, 2015.

Lira C; Vancini R; Silva A; Nouailhetas V, Efeitos do exercício físico sobre o trato gastrintestinal ,Rev Bras MedEsporte vol.14 no.1 Niterói Jan./Feb. 2008.

Makaie M, Bevilacqua Rg, Birolini D, Oliveira MR – Incidência de colelitíase em autópsias no município de São Paulo. Rev Paul Med, 1982,100:11-15.

Peron A, Schiemann A, Almeida F, Understanding the reasons for the refusal of cholecystectomy in patients with cholelithiasis: how to help them in their decision? ,ABCD, arq. bras. cir. dig. vol.27 no.2 São Paulo Apr./June 2014.

Rocha A – Litíase da vesícula biliar em material de autópsia no Triângulo Mineiro. Amb. Rev Ass Med Bras, 1977,23(5):196- 208

Schiermer BD, Winters KL, Edlich RF, Cholelithiasis and cholecystitis,J Long Term Eff Med Implants. 2005;15(3):329-38

Taha M; Freitas J; Puglia C; Lacombe A; Malheiros C, Fatores preditivos de colelitíase em obesos mórbidos após astroplastia em Y de Roux , Rev. Assoc. Med. Bras. vol.52 no.6 São Paulo Nov./Dec. 2006.

Torres O;Barbosa E; Pantoja P; Diniz M; Silva J; Czeczko N.Prevalência ultra-sonográfica de litíase biliar em pacientes ambulatoriais.Rev. Col. Bras. Cir.Vol.32,no.1,RiodeJaneiroJan./Feb.2005.http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912005000100011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.