Anestesia: aspectos históricos

Maria Aparecida Santos, Marilia Franco Oliveira, Paula Nogueira Nunes, Thaiana Lice Lopes Dias, Vinicius Silva Marcelino, Pedro Castella Malozze, DANIELLA MELLO TONOLLI

Resumo


O dia 16 de outubro de 1846 é considerado o marco inicial da anestesia como ciência médica, pois foi nesse dia que William Thomaz Green Morton realizou uma anestesia geral com éter, quando o cirurgião John Collins Warren retirou um tumor no pescoço de um paciente de dezessete anos chamado Gilbert Abbot. Esse procedimento ocorreu  no anfiteatro do Massachusetts General Hospital, em Boston. Ele não foi fotografado oficialmente, mas em 1882 o pintor Robert Hinckley imortalizou a cena em uma tela que é reconhecida mundialmente como a cena da primeira  anestesia cirúrgica.  Até então não havia a completa insensibilidade durante uma cirurgia, sendo isso nessa época considerado impossível nos meios acadêmicos. Teve início nesse momento a anestesia geral inalatória com a aplicação do éter dietílico. Sucessivamente novos agentes  como o Óxido Nitroso e o Clorofórmio  foram introduzidos  e em seguida  os anestésicos halogenados começaram a ser desenvolvidos ate os dias de hoje. Em paralelo com o desenvolvimento dos anestésicos voláteis, os anestésicos intravenosos e locais foram introduzidos na prática clínica, proporcionando sempre um grau de inconsciência farmacologicamente controlada associado à analgesia, relaxamento muscular, amnésia e controle autonômico. A prática clínica atual requer um alto grau de segurança para a realização do ato anestésico-cirúrgico sendo obrigatório o uso da monitorização adequada do paciente, considerando o tipo de cirurgia, permitindo assim a prática segura da anestesia. A realidade da anestesia moderna começa com a avaliação pré-anestésica e  continua com a sua execução, envolvendo também o processo de recuperação da anestesia. A anestesia propicia a condição clínica necessária para a realização do ato cirúrgico indicado para o paciente.


Texto completo:

PDF

Referências


Miller, Ronald D. Bases da Anestesia, Editora Elsevier, 6ª edição, Rio de Janeiro, 2012

Morgan,G.etal.,Anestesiologia Clínica, Editora Revinter, RJ,4ªEdição,2010.

SAESP (Organização). Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo. 7ª Ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.