Transgênicos na produção de biofarmácos

Dayane Menezes Santos, Cleide Barbieri de Souza

Resumo


Dentre as diversas aplicabilidades da Biotecnologia, destaca-se o seu impacto no setor da agricultura por meio ao desenvolvimento de novas variedades de cultivos vegetais, refletindo na indústria farmacêutica no desenvolvimento de novas drogas. A terceira geração de vegetais transgênicos e/ou OGMs são capazes de oferecer produtos de efeito medicinal direto, sendo assim denominados “transgênicos do bem”. Como verdadeiras biofábricas, estes produzem anticorpos; novos compostos com potencial antibiótico; vacinas contra doenças que afetam animais e seres humanos como o ebola,HIV, hepatites, diarréia e leishmaniose, respectivamente; insulina e hormônio de crescimento humano produzidos em glândulas mamárias e excretados no leite de ovelhas; cereais como a soja e milho produzindo hormônio de crescimento humano e proteína C. O uso de sistemas biorreatores, favorece a produção de carboidratos, ácidos graxos e polipeptídeos usados na alimentação humana e ração animal. Uma das grandes vantagens na produção de biofarmacos é devido o baixo o custo, diminuição de processos alergicos já que expressa apenas uma porção do antígeno patogênico, curto ciclo de vida comparado a animais transgênicos, fácil purificação, diminuição de contaminação e estocagem em locais menores. Já como desvantagem é devido a destruição das proteinas devido ação do suco gastrico quando o alimento ou planta transgênica é ingerida  diretamente, já que concentrações são insuficientes para que haja imunização. No Brasil, apesar de haver atualmente 171 instituições credenciadas para trabalhar com transgênicos, de acordo com o CTNBio, são poucos os trabalhos enquadrados na terceira geração. Para tanto, o objetivo deste trabalho de revisão bibliográfica é enfatizar a eminente importância desta linha de transgênicos na produção de inovadores biofármacos, os quais serão fundamentais para sociedade que atualmente já se encontra, segundo a OMS, por exemplo, na “era pós-antibiótico”.

Palavras-chave: Biofabricas, Vegetais Transgênicos, Biotecnologia, Planticorpos, Terceira Geração

 

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


MEDEIROS, Maria das Graças Freire; CARNEIRO, Sabrina Maria Portela; DINIZ, Fábio Mendonça. Plantas como potenciais biorreatores na produção de vacinas e fármacos. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2014.

MUNIZ, Celli Rodrigues et al. ALIMENTOS TRANSGÊNICOS: SEGURANÇA, RISCOS ALIMENTARES E REGULAMENTAÇÕES. 2003. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.