PERFIL DE MULHERES DIABÉTICAS ATENDIDAS PELO AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOPATIA OBSTÉTRICA NO HOSPITAL GUILHERME ÁLVARO, RELACIONANDO CARACTERÍSTICAS CLÍNICO-LABORATORIAIS DURANTE A GESTAÇÃO, INTERCORRÊNCIAS E DESFECHOS MATERNO FETAIS

Miriam Chinzon, Marcus Vinicius Santos Carvalho, Tony Tobias Junior, Lucas Alago Gatto, Pedro Henrique Lucas de Moraes, Mayra Atalla Fernandes, Matheus Marques Ferreira, Sergio Floriano de Toledo

Resumo


OBJETIVO: analisar o perfil de mulheres diabéticas atendidas pelo ambulatório de Endocrinopatia Obstétrica no Hospital Guilherme Álvaro, relacionando características clínico-laboratoriais durante a gestação, intercorrências e desfechos materno fetais pós parto comparando com gestantes não portadoras de diabetes. MATERIAIS E MÉTODOS: Foi realizado um estudo coorte prospectivo que avaliou pacientes admitidas no ambulatório de endocrinopatia obstétrica do Hospital Guilherme Álvaro (Santos-SP), a partir de fevereiro de 2018 até novembro de 2018 (n=97) comparando com gestantes não portadoras de diabetes (n=22). Um questionário estruturado com consentimento informado e assinado foi aplicado, analisando o perfil epidemiológico das pacientes, antecedentes obstétricos, dados da admissão da paciente no pré natal, evolução da gestação, dados do parto e do recém nascido. RESULTADOS: Evidenciou-se que o perfil da paciente que procura os serviço de alto risco do pré natal é de uma gestante com elevado índice de massa corpórea (65.2% obesa) e tabagista (30,2%, p= 0.021), sendo composto por 6.8% de diabéticas tipo 1, 21.6% tipo 2 e 71,6% diabetes mellitus gestacional, com a idade média maior que 25 anos (p =0.013). Em relação aos antecedentes pessoais, a hipertensão foi a comorbidade relacionada, e o uso de medicações prévias centrou-se em alfametildopa, metformina e insulina (p=0.022). Dos antecedentes familiares, 44% possui pais diabéticos (p=0.001). Observou-se que ambos os grupos buscam assistência pré natal tardiamente, sendo que a média de mais de 6 consultas pré natal alcançou 58.9% nas diabéticas e 81% nos controles. Durante a gestação, o quadro de vertigem foi a clínica mais associada a essas pacientes (p=0.047) e a insulina foi prescrita para controle glicêmico em 44.2% dos casos (p=0.001). A necessidade de resolução obstétrica por via alta foi predominante nessa população (p=0.014). O recém nascido apresentou estatura adequada (90,2%, p= 0.001) quando comparada aos controles, sem diferença quanto ao peso. O apgar no primeiro e quinto minuto obteve relevância estatística ao comparar o grupo DMG e controle (p=0.015). Dentre os desfechos neonatais, a malformação foi encontrada em 22% do grupo DM2 (p=0.025) e a hipoglicemia, icterícia e persistência do canal arterial foram outras complicações descritas, sem diferença significativa. A necessidade de assistência terapêutica baseou-se no uso de oxigênio em filhos de mães diabéticas pré gestacionais (p=0.001) e intubação orotraqueal (p=0.013). Durante o período, houve um aborto e nenhum óbito intra hospitalar. CONCLUSÃO:  Assim, conclui-se que o diabetes mellitus (DM) é a desordem metabólica mais comum da gestação e tem relação com intercorrências neonatais importantes, tais como a prematuridade, macrossomia, malformação fetal e tocotraumatismo, e intercorrências maternas e obstétricas. A partir do prognóstico obstétrico observado nas mulheres diabéticas, é de suma importância para essas gestantes possuírem planejamento pré concepcional, captação precoce da gestante e disponibilidade laboratorial e de imagem de acordo com a necessidade individual, acompanhamento pré natal rigoroso e relacionamento médico-paciente bem estruturado afim de obter desfecho gestacional favorável e seguro para o binômio materno fetal.

DIABETICS WOMAN PROFILE ATTENDED BY OBSTETRIC ENDOCRINOPATHY AMBULATORY IN GUILHERME ALVARO HOSPITAL, RELATING CLINICAL-LABORATORY CHARACTERISTICS DURING PREGNANCY, INTERCURRENCES AND MATERNAL FETAL OUTCOMES

OBJECTIVE: Our purpose is analyse the profile of diabetics woman attended by obstetric endocrinopathy ambulatory in Guilherme Alvaro hospital, relating clinical laboratory characteristics during pregnancy,  intercurrence and outcomes maternal fetus. METHODS:This is a prospective cohort study that evaluated patients attended by obstetric endocrinopathy ambulatory in Guilherme Álvaro hospital (Santos-SP) , in the period of february of 2018  to november of 2018 (n=97), comparing to non-diabetic pregnant women. We applied a structure questionnaire, analysing de epidemiologic profile of patients, obstetrical history, data from admission in prenatal, pregnancy evolution, data of birth and newborn. RESULTS:Evidence showed that the profile of patients who comes to high risk prenatal service is a person with a high body mass index (65,2% obesity) and smoker (30,2%, p=0,021), being composed by 6,8% diabetes type 1, 21,6% diabetes type 2 and 71,6% gestacional mellitus diabetes, with the average age higher than 25 years (p= 0.013). Personal history showed that hipertension was the comorbidity related, and the use of previous medications most common were alfametildopa, metformin and insulin (p= 0,022). Family history evidence that 44% have parents with diabetes (p=0.001). Both groups look for prenatal assistance lately, having an average of 6 consults during prenatal, reached 58,9% in diabetics and 81% in control group. During pregnancy, the most prevalent symptom was dizziness (p=0,047) and the insulin was prescribe 44,2% of the cases (p=0,001). The necessity of obstetric resolution by cesarean section was predominant in this population (p= 0,014). Newborn presented appropriated stature  (90,2%, p=0,001)  when compared to control group, without significant difference related to weight. Apgar on the first and fifth minute had relevance when compared DMG and control group (p=0,015). Malformations neonatal was found in 22% of DM2 group (p=0,025), hipoglicemie, jaundice and persistence of arterial canal was describe as neonatal outcomes but didn’t have significance. The necessity of therapeutical assistance was based on oxigenio therapy in sons of pre gestational diabetic mothers (p=0,001) and orotracheal intubation (p= 0,013).  During the period, there was one abortion and none in-hospital death. Therefore, Diabetes mellitus (DM) it is the most common metabolic disorder of gestation and has relation with important neonatal intercurrence such as prematurity, macrossomy, fetal malformation, toco traumatism, maternal obstetric intercurrence like preeclampsia and cesarean section. CONCLUSION: Therefore, it is concluded that diabetes mellitus (DM) is the most common metabolic disorder of gestation and is related to important neonatal complications, such as prematurity, macrosomia, fetal malformation and toco traumatism, and maternal and obstetric intercurrences. Based on the obstetric prognosis observed in diabetic women, it is extremely important for these pregnant women to have preconception planning, early pregnancy collection and laboratory and imaging availability according to individual need, rigorous prenatal follow-up, and well structured physician-patient relationship in order to obtain a favorable and safe gestational outcome for the fetal maternal binomial.


Palavras-chave


Diabetes; Gestação; Epidemiologia; Desfecho Obstétrico

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 15 de dezembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.