AVALIAÇÃO DAS MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS ATRAVÉS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM EM HOSPITAL PÚBLICO DE REFERÊNCIA NA CIDADE DE SANTOS

Leonice Aparecida Pereira De Souza, Mariano José Lucero

Resumo


Malformações congênitas são defeitos de desenvolvimento de um órgão ou região na fase embrionária, acometem principalmente o Sistema Nervoso Central, Cardíaco e Músculo Esquelético. São alterações estruturais, metabólicas ou funcionais, podendo ser derivadas de fatores genéticos, ambientais, mistos ou de causas desconhecidas. Através do estudo retrospectivo, foram coletados dados a partir de prontuários do Serviço de Medicina Fetal do Hospital Público de Referência na cidade de Santos entre os anos de 2014 a 2016, destacando-se: procedência, idade da paciente, tipo de malformação congênita, idade gestacional e tipo de método de diagnóstico por imagem  utilizado. Por meio do analise detalhada de 184 prontuários de serviço de Medicina Fetal, ressaltamos que, do total de amostras avaliadas, 159 pacientes (86,4%) confirmaram malformações congênitas. Desse total 71 pacientes (38.59%) apresentaram malformações no Sistema Nervoso Central; sendo a Hidrocefalia a malformação congênita de maior incidência com 26 pacientes (36,61%) confirmados. Além disso, observou-se um alto índice de mortalidade fetal ou do recém-nascido com 82 casos (51,57%). Os exames ultrassograficos (US) consideram-se métodos por imagem essenciais para o diagnostico e acompanhamento das malformações congênitas na fase intrauterina. Cabe destacar que o ultrassom convencional, o ultrassom morfológico, e o exame de Ressonância Magnética Fetal (RM) que abre a possibilidade da aquisição de imagens com sequencias mais rápidas em única apneia eliminando artefatos gerados pela movimentação fetal, são fundamentais para a aquisição de imagens que permitam a avaliação detalhada do feto.

EVALUACIÓN DE LAS MALFORMACIONES CONGENITAS A TRAVÉS DEL DIAGNÓSTICO POR IMAGEN EN HOSPITAL PÚBLICO DE REFERENCIA EN LA CIUDAD DE SANTOS

Las malformaciones congénitas son defectos em el desenvolvimiento de un órgano o región en la fase embrionaria, acometiendo principalmente el Sistema Nervioso Central, Cardiaco y Músculo Esquelético. Son alteraciones estructurales, metabólicas o funcionales, pudiendo ser derivadas de factores genéticos, ambientales, mixtos o de causas desconocidas. A través de este estudio retrospectivo, fueron recolectados datos a partir de prontuarios del Servicio de Medicina Fetal de un Hospital Público de Referencia en la ciudad de Santos entre los años  de 2014 a 2016, destacándose: procedencia, edad de la paciente, tipo de malformación congénita, edad gestacional y tipo de método de diagnóstico por imagen utilizado. Por medio del análisis detallado de 184 prontuarios del servicio de Medicina Fetal, resaltamos que, del total de muestras evaluadas, 159 pacientes (86,4%) confirmaron malformaciones congénitas. De ese total 71 pacientes (38.59%) presentaron malformaciones en el Sistema Nervioso Central; siendo la Hidrocefalia la malformación congénita de mayor incidencia con 26 pacientes (36,61%) confirmados. Además, se observó un alto índice de mortalidad fetal o del recién nacido con 82 casos (51,57%).Los exámenes ecográficos (US) se consideran métodos por imagen esenciales para el diagnóstico y seguimiento de las malformaciones congénitas en la fase intrauterina. Es importante destacar que el estudio ecográfico convencional, el estudio ecográfico morfológico, y el examen de resonancia magnética fetal (RM) que abre la posibilidad de la adquisición de imágenes con secuencias más rápidas en una única apnea eliminando artefactos generados por el movimiento fetal, son fundamentales para la adquisición de imágenes que permitan el análisis detallado del feto.


Palavras-chave


medicina fetal; malformação congênita; patologias fetais; diagnóstico por imagem

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa - RUEP

ISSN (impresso): 1807-8850
ISSN (eletrônico): 2318-2083

Periodicidade: Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição - 31 de maio
Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição - 31 de agosto
Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição - 30 de novembro
Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição - 31 de março

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Indexadores

 

Estatística de Acesso à RUEP

Monitorado desde 22 de novembro de 2016.